Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/545
Title: "Os Defensores da Honra do Brasil": áulicos, idéias e política na Corte fluminense (1822-1830)
Authors: Marques Júnior, Nelson Ferreira
metadata.dc.contributor.advisor: Basile, Marcello Otávio Neri de Campos
metadata.dc.contributor.members: Basile, Marcello Otávio Neri de Campos
Nascimento, Álvaro Pereira do
Ferreira, Roberto Guedes
Keywords: Brasil - História - I Reinado, 1822-1831
Liberdade de imprensa
Issue Date: 2010
Citation: MARQUES JÚNIOR, Nelson Ferreira. "Os Defensores da Honra do Brasil": áulicos, idéias e política na Corte fluminense (1822-1830). 2010. [Não paginado]. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História)–Instituto Multidisciplinar, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2010.
Abstract: Os Áulicos fluminenses, de 1822-1830, constituem o objeto maior de estudo desta monografia. Trata-se de analisar suas idéias, propostas, a nova linguagem política, que, incorpora no Brasil, e como se configura essa elite intelectual, no Primeiro Reinado. Tudo isso, dentro de uma cultura política plasmada, com aspectos modernos e, ao mesmo tempo, convivendo com práticas e idéias remanescentes do antigo regime. O Primeiro Reinado é um dos períodos menos estudados da história brasileira. Afora a produção dedicada à temática da Independência e da Abdicação, estás sim bastante discutida, há inúmeros questionamentos pendentes no período em foco. A começar pelos próprios elementos cruciais da política imperial: as facções concorrentes e a imprensa doutrinária. Pouco se sabe, por exemplo, sobre os áulicos; qual era o perfil do grupo (e não só de algumas lideranças), por que apoiavam fielmente o imperador, como atuavam no Parlamento, e que papel, efetivamente, tiveram na sustentação do governo? O entrementes, do período de 1824 a 1830, ainda permanece pouco investigado. Também chama a atenção, a falta de estudos a respeito dos diversos jornais áulicos, que tiveram papel decisivo na legitimação do governo, contra as facções rivais. A entrada da cultura política portuguesa, na Corte fluminense, deve-se a imprensa panfletária fluminense e lusitana dos anos 1820, as tensões semânticas foram evidentes. A convivência entre o moderno (luzes portuguesas) e o antigo (mentalidade de Colônia), dava novos conceitos às palavras. Apesar de as elites possuírem a cultura política de mesma origem lusitana, não se tornaram um grupo homogêneo. É nessa perspectiva, que busco o fio condutor para entender os áulicos.
URI: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/545
Appears in Collections:Monografias do Curso de Licenciatura em História - IM

Se for cadastrado no RIMA, poderá receber informações por email.
Se ainda não tem uma conta, cadastre-se aqui!

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MARQUES JUNIOR, Nelson Ferreira 2010.pdf1,37 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.