Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/2942
Title: O impacto da expansão urbana sobre a vegetação do município do Rio de Janeiro, RJ
Authors: Neves, Viviane Cristina
metadata.dc.contributor.advisor: Amorim, Hugo Barbosa
metadata.dc.contributor.members: Amorim, Hugo Barbosa
Viana, Leonardo José Silva
Sousa, Juliana Torres de
Keywords: Remoção arbórea
Áreas de planejamento
Medida compensatória
Issue Date: 13-Jan-2010
Abstract: No município do Rio de Janeiro, a remoção de árvores é regulamentada pela Resolução SMAC nº 345/2004. Este trabalho pretende caracterizar o impacto causado pela expansão do município, através da análise das remoções autorizadas pela SMAC no período de janeiro de 2003 a janeiro de 2008 que constam no sistema informatizado SIDOC. Procurose quantificar a distribuição por área de planejamento da cidade (AP) das autorizações de remoção arbórea (ARV) e dos indivíduos arbóreos removidos. Paralelamente realizou-se a qualificação através da origem (nativa ou exótica) das espécies cadastradas e a ocorrência em cada área de planejamento. Para verificar a mitigação do impacto, foram analisados 15 processos com conversão efetuada somente na forma de plantio e outros 15 que além do plantio, envolveram outros tipos de conversão. Foram emitidas 593 ARVs durante o período. Em 2003 foram 11; em 2004, 34 ARVs; em 2005, 149 autorizações; em 2006, 218 e em 2007 foram emitidas 220 autorizações. Cada autorização envolveu de uma a 437 árvores removidas. No total foram removidas 17839 árvores. A AP4 concentrou 51% deste total enquanto a AP5, AP2, AP3 e AP1 obtiveram respectivamente 29, 11, 7 e 2% de participação em relação ao total removido. Foi verificada a existência da relação destes percentuais com densidade populacional de cada AP e visto que o contraste mais forte ocorre na AP4, sinalizando a tendência à urbanização desta região. Do total de árvores removidas no município 50% eram de origem nativa e 50% de origem exótica. A ocorrência das origens em todas as AP revelou que nas APs com grande extensão de área urbanizada (AP1 e AP3) houve predomínio de exóticas e nas localizadas próximas à remanescentes florestais (AP4, AP5 e AP3) como os Maciço da Pedra Branca, Tijuca e Geriçinó-Mendanha ocorreu uma pequena sobreposição de nativas sobre exóticas As análises das medidas compensatórias derivadas de corte de árvore mostraram-se satisfatória, tanto nos casos onde foram cobradas somente na forma de plantio, como nos casos onde envolveram outros tipos de compensação que não somente plantio. Em cada situação, a proporção de indivíduos removidos e plantados foi de respectivamente 1:8 e 1:4, significando que o saldo de mudas plantadas é positivo mesmo quando a compensação não é completamente convertida em plantio além de envolverem ações que contribuem para melhoria do ambiente urbano.
URI: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/2942
Appears in Collections:TCC - Engenharia Florestal (Seropédica)

Se for cadastrado no RIMA, poderá receber informações por email.
Se ainda não tem uma conta, cadastre-se aqui!

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VivianeNeves.pdf1,21 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.